Ligações rápidas

Horário de Funcionamento:
Segunda, Quinta e Sexta
15:00 / 20:00

Sábados e Domingos
11:00 / 18:00

 

 

Áreas Principais

 

 

Casa da Achada

Leitura Furiosa 2009 em Lisboa

 

 

Desenho de Nadine Jacinto Rodrigues

Se amandássemos bueda água

 

A Maria é a Puca e vai hoje pela primeira vez às compras ao supermercado que há lá para os longe-longes. À volta, mete-se por umas ruas desconhecidas, umas lisboas mais amplas que as do Bairro do Castelo, e confunde-se, desorienta-se, perde-se. Toca à campainha de uma Casa Vermelha a pedir ajuda, “por favor, alguém”, e, tã-tã-tã-tã, quem é que abre a porta? É a Beatriz, senhoras e senhores, a Beatriz disfarçada de Feiticeira-Disfarçada-de-Senhora-Simpática. Estava naquele momento a cozinhar uma poção mas à Puca diz que é só um bitoque. Lá por casa anda ainda a Mariana a fazer de Gato Milupa para ajudar ao teatro geral. Muito simpática, a Feiticeira sai com a Puca para a ajudar a encontrar o caminho de regresso ao Bairro do Castelo. Andam um bocado e descobrem Outra Casa Vermelha. A porta abre-se sozinha, uuuuu. A Inês, que é ao mesmo tempo três coisas: Irmã da Puca, Também Feiticeira e Dona da Outra Casa Vermelha, esconde-se para lhes pregar um susto. (Entretanto ninguém desconfia que a Joana, que agora desmonta a sala de estar com acrobatíssimas acrobacias acrobáticas, é nem mais nem menos do que, pois, um Cão-Demónio.) Mas não é tudo. Sentadinhos debaixo da mesa, estão os dois Irmãos da Puca, concentrando-se a ver se conseguem entrar inteiros nas personagens. O André será o El Tigre e o Ricardo o Monstro da Gelatina. Falam pelos cotovelos para que o Mundo não os desconcentre nem um milésimo. E a certa altura, zup-chlap-bóing, aparecem todos ao mesmo tempo, num salto uníssono. A Puca apanha um susto, ah, mas é de felicidade-alegria. Chegou a casa, é ali a Casa Vermelha dela afinal, agora já se lembra de tudo, para trás e para a frente. E Lisboa é só um sonho e o Bairro transforma-se num Castelo e no meio do nosso palco aparece aquela fonte mesmo fixe. É um grande final, senhoras e senhores, meninos e meninas, um verdadeiro instante olé. Para festejar, lançam-se todos ao trabalho. O exercício de hoje é inventar água para que a fonte seja mais fonte. É um trabalho bom e altamente impossível. E as palavras mágicas são: Se amandássemos bueda água. Experimentem lá, experimentem todos. Vão ver que funciona ou eu não me chamo Jacinto o Ogre de Cartola. Se amandássemos bueda água! Se amandássemos bueda água! Se amandássemos bueda água!

                                                                      

Jacinto Lucas Pires

(e Maria, Beatriz, Mariana, Inês, Joana André, Ricardo)

na Escola do Castelo

 

voltar para Casa da Achada antes das obras

André Spencer e F. Pedro Oliveira para Casa da Achada - Centro Mário Dionísio | 2009-2017